ODS 13 - 24/04/2017

As mudanças climáticas são debatidas durante Ciclo de Estudos sobre os ODS

Evento foi realizado no ISAE, em Curitiba e contou com a presença de cerca de 80 pessoas
clique para ampliarCerca de 80 pessoas participaram da atividade (Foto: Aline Calefi)

O segundo encontro do III Ciclo de Estudos sobre os ODS aconteceu na última terça-feira (18), no ISAE, em Curitiba. O evento é uma realização do Sesi Paraná, CIFAL Curitiba e Faculdade da Indústria com a parceria da Celepar. O tema debatido neste encontro foi o ODS 13 (Mudanças Climáticas).

O encontro iniciou com a apresentação dos indicadores relacionados ao ODS 13, pela gestora da informação do Núcleo de Indicadores de Desenvolvimento e Pesquisa (NIDEP), do Sesi, Isabela Drago. “Este ODS apresenta algumas questões como resiliência, causas naturais e consequências das atividades humanas”, destacou.

O presidente do ISAE, professor Norman Arruda Filho, salientou a necessidade de sensibilizar um número cada vez maior de pessoas sobre os ODS. “Temos uma lição de casa para fazer: o que devemos fazer e como devemos fazer, pois precisamos tornar tangível a causa dos ODS”, disse.

O professor Norman também destacou que não existe uma solução isolada para cada ODS, devido à conectividade que há entre eles.

O professor do ISAE e colaborador da Sanepar, Charles Carneiro, destacou como a questão da água está sendo afetada pelas mudanças climáticas. “Algumas evidências são:  falta água para 20% da população mundial; há um aumento do número de inundações e enchentes e  a elevação do nível de mares e oceanos. “Precisamos realizar ações preventivas, pois elas ainda são mais eficientes do que as ações mitigadoras”, salientou.

Segundo o professor, ainda há o problema de gestão da água que precisa ser avaliado. “No nordeste, por exemplo, 75% da água é desperdiçada antes de chegar no consumidor final”, destacou.

O diretor do Centro de Estudos da Defesa Civil, capitão Eduardo Pinheiro, apresentou como as mudanças climáticas influenciam no número de desastres causados por enchentes e deslizamentos, por exemplo. Ele destacou a iniciativa do programa Cidades Resilientes, que incentiva uma série de ações para prevenir e mitigar os problemas causados por desastres naturais. Aderiram ao programa, 74,45% dos municípios paranaenses. “O Brasil ainda subestima a avaliação do impacto dos desastres na economia”, destacou.

Segundo o capitão, o impacto dos desastres está diretamente relacionado as escolhas e omissões do poder público. “O município não está preparado para se antecipar ao resultado destes desastres”, disse. Outro exemplo citato é o caso das reconstruções após os desastres. “Não podemos fazer, de novo, da mesma forma”, disse.

O próximo encontro do III Ciclo de Estudos sobre os ODS acontecerá no dia 22 de maio, às 19h30min, na FAE, em São José dos Pinhais.

 

Centro Internacional de Formação de Atores Locais - CIFAL Curitiba
Av. Comendador Franco, 1341, Curitiba - PR, Brasil - Telefone: +55 41 3271 7409

PARCEIRO ESTRATÉGICO